Ajude a Preservar a Serra, click e veja as degradações.

 

 

Desema Web Mail

Ftp Desema

Prédios Históricos

Chalet dos Mellos

1891 – Nesta época, foi construido o casarão da rua Conde de Araruama, conhecida como Chalé dos Mellos. O prédio foi erguido a mando do Coronel Bento de Araújo Pinheiro abastecido fazendeiro em Cabiúnas e Conceição de Macabú Em terreno arrematado do Padre José Alves da Cruz, no ano de 1882.Sua planta , sob forma de chalé “romântico”, foi , provavelmente extraida de um catálago Europeu guardando influências ecléticas.Telhas importadas da França pela importadora “Maison de Bordeaux” Nas quais está a marca do fabricante “Peirre Sacoman-Saint Henry-Marseille.

Informações retiradas e resumidas do folheto NAQUELE TEMPO Instituto Histórico e Geográfico de Macaé Fundação Macaé de Cultura Petrobras – E7P – Bacia de Campos.

Lira dos Conspiradores

No final do século passado, em 25 de dezembro de 1882, nascia uma nova Banda de música em Macaé. Seus membros eram descendentes da Sociedade Musical Nova Aurora, ocasionando Uma competição, que acabou favorecendo o engrandecimentos de ambos. Entre os anos de 1883 e 1888, a Sociedade Musical lutou contra a escravatura, utilizando sua Banda de Música como força arregimentadora de massa, e cedendo suas dependências para reuniões dos abolicionistas prédio foi inaugurado em 22 de maio de 1887, abrigando no seu interior uma capela, sua padroeira é Nossa Senhora da Penha.

Macaé Nossa Terra, Nossa Gente - Série Patrimônio Histórico Edificado - IHGM – Instituto Histórico e Geográfico de Macaé Prefeitura Municipal de Macaé . Acervo Centro de Memória Antônio Alvares Parada

 

 

Monumentos na Praça Veríssimo de Melo

Preciosa peça, inteiramente confeccionada em ferro fundido. Seu burilamento conta com motivos marinhos vegetação, concha e peixe. Data do século XIX e tem autoria de célebre artista plástico Sérnes. Inaugurado em 29 de julho de 1913

 

Monumento político, comemorativo do primeiro centenário de Macaé. Inaugurado em 29 de julho de 1913

 

Coreto

O monumento data da primeira década do século XX. Os elementos que constituem a peça, com simbologias diversas fundidas em alto relevo, revelam uma beleza impar. Todos os metais utilizados em sua construção foram adquiridos, por meio de catálogo, da fundição Escocesa W. MACFARLANE & Co., com sede em GLASGOW . Inaugurado em 15 de dezembro de 1914

 

 

Solar Monte Elísio-Castelo


Aos turistas, a tradição vai contando, orgulhosa, que Dom Pedro II nele se hospedou, que a Princesa Isabel, periodicamente, visitava os familiares ali residentes. O Solar nasceu logo após a Independência do Brasil. Já ouviu muito canto de passarinho. Já viu florir quase 200 vezes os flamboyants, paineiras e ipês dos seus arredores. E, assim, o casarão guarda na memória gracioso toque lendário. Conta a história que Francisco José Domingues, senhor de cinco fazendas, além de fazendeiro progressista, era ativo negociante. Promoveu o comércio de Macaé com as regiões vizinhas e, sobretudo, com a Corte Imperial, na cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro . Suas atividades ficaram conhecidas em sua pátria de origem - Portugal - pelo que o Rei o credenciou com o título de Visconde. Casou-se com D. Luiza Leopoldina Guimarães de Araújo, nobre dama da aristocracia de Pelotas , na então província do Rio Grande do Sul. O casal fixou residência em Macaé, no prédio, onde hoje funciona a Câmara Municipal. D. Leopoldina, porém, já Viscondessa de Araújo, quis transferir residência para a Fazenda Caturra, num casarão de um só pavimento. Apesar das amplas acomodações e de todo conforto da época, gozando da encantadora visão panorâmica de toda a região, aquela casa não era ainda o que desejava o jovem Visconde de Araújo para a sua nobre dama-esposa. Assim, imaginou o Visconde, a construção de um SOLAR de estilo europeu, semelhante aos muitos que conhecera na velha Europa. Em 1852, iniciou a obra do Solar. Foram 14 anos de construção na Fazenda Caturra. O Solar recebeu o nome de “Monte Elíseo” por influência do Monte Elíseo de Paris e dos ventos elíseos que ali sopram. O prédio foi dotado com os melhores e mais custosos materiais, desde telhas francesas Marseille, madeiramento de pinho de riga, até acabamentos de luxo e decorativos. Artífices afamados do Velho Mundo, decoração de safenas douradas, resposteiros e cortinas estilo renascença francesa compuseram o processo da construção do Solar. Não faltaram as modelares instalações sanitárias com louçarias francesas.

Cumpre ressaltar ainda a magnífica obra de talha e engenharia que é a escada de acesso ao andar superior, em arrojada espiral de degraus, nas dimensões clássicas, e os atuais paredões, com ameias e fortins que o povo denominou de "guaritas", que ainda caracterizam a monumental construção.

Informações obtidas no site do Castelo.www.castelo.com.br

Igreja de Santana

Os primeiros registros dos Jesuítas em MAcaé, datam de 1634, quando então levantaram à margem do rio Macaé e próximo ao sopé do Morro de Santana um curral. Paulatinamente formaram um estabelecimento agrícola que, no correr dos anos ficou sendo conhecida como Fazenda de Macaé ou Fazenda de Santana.Na base do morro, entre esse e o rio, levantaram um engenho de açucar com todas as dependências e lavouras necessárias.Além do açucar, produziam farinha de mandioca em quantidade e extraiam madeira para construções de navais e edificações.No alto do morro, ergueram um colégio, ao lado de uma pequena capela, sob a invocação de Santana e um pequeno cemitério limitando-se com a capela.Neste cemitério se encontra até hoje os restos mortais de alguns Jesuítas.A igreja existente atualmente não é a mesma capela original. A edificação lá existente é datada de 1869, que desde então vem sofrendo grandes reformas.

A Lenda de Santana

A Igreja de Santana, erguida pelos Jesuítas, alimenta uma das mais populares lendas Macaenses. Contam que a imagem de Santana foi encontrada por pescadores, numa das Ilhas do Arquipélago que dá o nome. Trazida para o povoado, a imagem teria sido colocada no Altar Mor da Capela dos Jesuítas, desaparecendo misteriosamente no dia seguinte. Foi encontrada alguns dias após, na ilha, e levada novamente à Capela. O fato repetiu-se mais duas vezes.Na treceira fuga, concluiram os devotos que a Santa sentia saudades da ilha que era avistada do Altar da Capela, desta forma reedificaram o templo, voltandosua fachada frontal para o ocidente onde a Santa não divisaria mais o mar e oArquipélado de onde viera

 

Sociedade Musical Nova Aurora

 

Em 1873, foi fundada a Sociedade Particular Música Nova Aurora, Hoje Sociedade Musical Nova Aurora, cujas primeiras reuniões ocorreram em prédios não mais existente, na atual Rua Pereira de Souza então rua dos Pescadores, quase esquina com a Avenida Presidente Sodré. Em 1889, foi lançada a pedra fundamental da Sede e , no mesmo ano, foi iniciada a construção. Foram responsáveis pela obra o Eng. Joaquim Saldanha Marinho Filho, Antônio Maurício Liberalli e o construtor Sancho Baptista Pereira O prédio foi constituído de apenas um pavimento com características ecléticas. Destacando-se na parte central a empena que forma o frontão triangular, com vão fechado em arco ogival. A porta principal, centralizada, de madeira com almofadas e bandeira de vidro, dá acesso à capela. Os vãos laterais são de verga reta, fechados por janelas e em vidro e venezianas.

Macaé Nossa Terra, Nossa Gente - Série Patrimônio Histórico Edificado - IHGM – Instituto Histórico e Geográfico de Macaé Prefeitura Municipal de Macaé . Acervo Centro de Memória Antônio Alvares Parada

 

 

Camara dos Vereadores

O prédio foi construído em 1838, para servir de residência do Português Francisco Domingues de Araújo, pai do Visconde de Araújo. Quando Macaé ainda era uma Vila, esse Português estabeleceu-se comercialmente, negociando escravos, tornando-se então, Proprietário de fazendas, que atualmente constituem o perímetro urbano. Esta residência chegou acolher D. Pedro II em visita à cidade de Macaé, no ano de 1847.

Informações obtidas e resumidas dos folhetos da série; Macaé Nossa Terra, Nossa Gente - Série Patrimônio Histórico Edificado - IHGM – Instituto Histórico e Geográfico de Macaé Prefeitura Municipal de Macaé . Acervo Centro de Memória Antônio Alvares Parada

Igreja São João Batista

Quartel dos Bombeiros

 

 

 

 

Apoio